Running Nights

Datas: 20/10/2010 (quarta) e 29/10/2010 (sexta)

Horário: 19h32min e 19h22min

Distâncias: 10 km e 5 km

 

Corredor é bicho inquieto, vive fazendo reivindicações. Uma das que tínhamos já há algum tempo era a de uma prova noturna aqui na cidade. Já até ocorrera uma, de edição única, em 2006. Mas fora um evento bastante modesto, para menos de duzentas pessoas, realizado dentro de um clube local. O que gostaríamos de ver, na verdade, era algo nos moldes da grande festa que acontece na capital paulista, apelidada carinhosamente por uns, pejorativamente por outros, de “corrida-balada”. De minha parte, absolutamente nada contra. Creio firmemente que há espaço e público para todos os tipos de provas, das mais simples e artesanais às mais badaladas.

 

percursoorn.jpg

O percurso dos 10 km

 

Quando recebemos, portanto, a confirmação dos rumores de que aconteceria, no início de novembro, a primeira edição de um grande evento de corrida com horário noturno em nosso território, ficamos todos bastante animados. A exemplo do que ocorrera com o novo percurso da Unimed Run, corrida disputada em junho, fui convidado pelos organizadores para participar de um treino para fins de test-drive do trajeto. Baseado no percurso usado para a prova anterior, porém com sutis, mas importantes modificações. Autorizado a estender o convite para um grupo de até quinze participantes, convoquei a turma de sempre, a galera da Equipe 100 Juízo e os amigos das equipes coirmãs. Na noite fria de quarta-feira, dia 20, nos reunimos no estacionamento do shopping que sediará o evento. Éramos quatorze os corredores presentes. Sobrou uma vaga.

 

altorn.jpg

A altimetria dos 10 km

 

A primeira das mudanças foi notada logo de cara. Uma das reclamações que fizemos, inclusive eu mesmo, ao final do treino inaugural do percurso anterior foi o do chamado “grampo”. O trecho em ida e volta pelas duas pistas da Avenida Eduardo Cury, lateral do centro comercial, era um daqueles fatores psicológicos negativos, que pesam contra nas corridas. Ver gente chegando do outro lado da pista, terminando a prova quando você ainda tem que rodar quase um quilômetro para chegar, é dose! Guardadas as devidas proporções, é mais ou menos o que acontece na Meia Maratona do Rio de Janeiro, onde se passa na chegada com 15 km de corrida e tem que se dar uma longa volta, de seis quilômetros, pelo Aterro do Flamengo para concluir a prova. Para a corrida noturna, o “grampo” foi transferido para o começo do percurso. Invertendo o sentido do trajeto, largamos da portaria do shopping rumo ao Vidoca, apelido da Avenida Jorge Zarur. E retornamos, passando pela pontezinha por sobre o córrego que dá o nome, pegando a pista oposta. É mais ou menos a mesma coisa, só que totalmente diferente, dá pra entender? Tudo é questão de momento...

 

Praça entre as avenidas Eduardo Cury e Jorge Zarur

 

Ao final da reta da avenida, viramos à direita e pegamos a Rua Ana Maria Nardo Silva, um trecho em leve aclive, passando pela praça onde treina o pessoal do rúgbi e chegando ao começo da Avenida Anchieta. Outra mudança aqui. Na Unimed Run, seguíamos reto por ela, fazendo a sua subida completa. Continuamos tendo uma “peneirinha” (como diz nosso Capitão Zebra) aqui, uma ladeira das boas, íngreme e longa, que deve ser encarada com respeito e sabedoria. Mas agora ela vem antes: logo depois de uma banca de revistas, viramos novamente à direita e pegamos a Rua Benedito Silva Ramos. Aqui, a divisão entre os percursos dos 5 e dos 10 km. Quem faz a distância menor, vira à esquerda na Rua Domingos Jorge Velho e sai de novo na Anchieta, seguindo por um pequeno trecho sentido Centro e retornando no deque. Quem parte para a prova maior, segue reto até a rotatória, onde contorna à direita e pega a Avenida Barão do Rio Branco.

 

percurso5orn2.jpg

O percurso dos 5 km

 

Querendo experimentar e conhecer os dois percursos, na primeira noite, corri o completo. Na segunda, faria a versão reduzida. A partir deste trecho, a prova fica plana e bastante parecida com a Unimed Run, para a qual praticamos bastante antes do dia do evento. Corremos o arco da Rio Branco até sua famosa escola técnica e viramos à esquerda na Avenida Paulista, pegando em seguida a Rua Carlos Chagas e indo sair na Avenida São João, na altura do Parque Vicentina Aranha. Viramos novamente à esquerda na igreja Sagrada Família, seguindo pela Rua Madre Paula até a Nove de Julho, chegando novamente até o Vicentina, dobrando mais uma vez à esquerda para passar em frente à sua portaria, na Rua Prudente de Moraes. Direita no final da rua e um novo trecho da São João até chegarmos à outra ponta da Anchieta. O visual do Banhado, nosso cartão postal da cidade, não será tão belo quanto na prova diurna, mas, de qualquer forma, será bonito também ver ao longe as luzes das regiões central, norte e oeste da cidade. A partir daí, o corredor já vai sentir o coração bater mais forte. É hora de acelerar e começar a se preparar para o final da prova, que certamente será emocionante e veloz.

 

alt5orn.jpg

A altimetria dos 5 km

 

Na descida, a terceira e talvez mais importante das mudanças no trajeto. Ao invés de pegarmos a rampinha de acesso da Anchieta para a paralela Borba Gato, cuja pista corre ao lado, mas em nível de terreno bem mais baixo, agora descemos reto pela pista de cima. A prova, além de mais rápida, ficou bem mais segura neste aspecto. A descida era curtinha, mas perigosa. Ouvindo nossas sugestões, os organizadores atentaram para esse detalhe importante, que vai não só garantir a integridade dos atletas, mas também lhes dar a oportunidade de ganhar ainda mais velocidade no trecho. É pra sentar a bota!

 

Vista noturna do Banhado

 

A partir daí, só alegria! Embalados pela descida, que fica menos inclinada, mas continua ali presente, os corredores dos cinco e dos dez quilômetros poderão acelerar forte, rumo às suas metas (e quem sabe até recordes) pessoais. É importante saber que ainda tem um pouco de chão pela frente, mas é hora de recuperar parte do tempo perdido. Voltando no sentido contrário por onde viemos, logo chegamos de novo à esquina com a Eduardo Cury. E o melhor: podendo pegá-la já como trecho final da prova, sem mais rodeios até lá. A reta tem cerca de quinhentos metros. Garanta o seu sprint, vai valer o esforço. Chegue bonito e comemore bastante. Você venceu mais uma!

Vista do Shopping

 

Reunidos novamente ao final do treino, já que cada um corre no ritmo em que bem entender nesses “coletivos”, participamos do sorteio de brindes (três sortudos ganharam camisetas da marca esportiva que patrocina o evento). E gravamos um depoimento em vídeo, contando nossas impressões sobre o novo trajeto. Era unânime a aprovação das mudanças. E, sobretudo, a satisfação de termos nossas opiniões, dadas anteriormente, levadas em consideração. A atenção e o respeito que nós, corredores, conquistamos junto aos promotores de eventos na região é um dos nossos maiores patrimônios.

 

Atendendo aos pedidos daqueles que não puderam participar, pela limitação sugerida no número de participantes, deste primeiro treino, divulguei por conta própria a realização de um segundo, na semana seguinte. Aí a repercussão já foi bem maior, com convites feitos através de e-mail, da comunidade de corredores do site CorridasDeRua.com, do Twitter e no boca-a-boca, com amigos convidando amigos. Pena que não havia máquinas fotográficas e/ou filmadoras para registrar, porque seria simplesmente o maior de todos os treinos que já realizamos. O recorde anterior era de vinte e nove participantes, na grande festa promovida pelo amigo Michel, no final de fevereiro deste ano. Não tive a curiosidade de contar um por um, mas, entre treinandos das duas distâncias, tínhamos ali provavelmente quase quarenta pessoas. E nem precisou ter pernil assado e cerveja!!!

 

Tive o prazer de conhecer pessoalmente, nesta noite agradável de sexta, pessoas com quem mantinha contato apenas pela internet até então, como o Adriano Vergueiro, o Rodrigo Aleixo e o Juarez Moraes, entre outros. Muito bom ver tanta gente nova treinando conosco. E também rever os companheiros de tantas outras batalhas. Agradeço a todos pela presença. Fiz questão de parabenizar a cada um que vi chegar depois de mim (fazendo os cinquinho dessa vez, cheguei na "elite", junto com o bom amigo João Georges). Creio que todos tenham ficado bastante satisfeitos com a oportunidade de poder conhecer, antes do Dia D, esses desafiadores, mas bastante agradáveis (e velozes!) trajetos das provas. Como sugestão aos organizadores, minha e de outras pessoas com quem conversei, fica a de uma atenção especial para a iluminação no trecho que passa sobre o córrego, antes da reta final. E no começo da própria, antes da chega à área do shopping. Trata-se de um lugar meio escuro e, na calçada, se alguém for passar por ali (como aconteceu nos dois treinos), há um pequeno desnível. Se isso puder ser observado, acho que irá garantir ainda mais a segurança dos participantes.

 

Aos que estiverem comigo nessa noite especial e histórica do próximo sábado, seis de novembro, uma excelente corrida. Abraços a todos e até lá!

 

Fábio Namiuti

 

Veja meu livro de visitas | Assine meu livro de visitas | Contato

 

Topo da Página Volta | Página Principal Volta | Treino Anterior Volta | Próximo Treino Volta

PUBLICIDADE